sexta-feira, 30 de abril de 2010

Tecnologia e educação 2

O que a escola faz com a tecnologia? E o que a tecnologia faz com a escola?
por: Alberto Tornaghi*

Quando nós, educadores, nos deparamos com perguntas como essas, a primeira resposta é que a tecnologia nada faz, quem faz algo na escola são os educadores, os alunos,os gestores, enfim, a gente que lá está. A tecnologia seria uma espécie de ferramenta que nos permitiria dar aulas com maior eficiência. Quero convidá-los, então, a refletir sobre o que fazem as tecnologias digitais na escola.
vejamos a internet como fonte de pesquisa e de informações. É recorrente a reclamação de alunos que apenas copiam e colam informações da internet e apresentam os textos como trabalhos seus. Não há dúvida de que isso acontece, mas não é diferente do que ocorria, com frequência, nos tempos das enciclopédias em papel. Em que o sentido a internet nos permite ir além disso? No exercício da autoria. Há diversos modos pelos quais a internet pode contribuir para que a pesquisa escolar se transforme em processo de criação real e de autoria. Um deles pode ser radicalizando a experiência de copiar e colar: pode-se sugerir aos alunos que criem um texto que seja, de fato, uma colagem de trechos de outros textos, mas que inclua mais de uma fonte (ao menos três ou quatro). Ao copiar, os alunos devem citar as fontes. Para reunir fragmentos de muitas fontes, produzindo um texto que tenha sentido, precisarão fazer leitura crítica dos originais. Se puserem breves comentários de forma a simplificar ou ampliar alguma explicação – informando por que escolheram aqueles trechos – estarão experimentando um pouco do que é a vida do cientista.
Pode-se ir além. Se a produção dos alunos tiver como foco ensinar aos colegas os temas que estudaram, o trabalho poderá ser publicado tanto na rede local da escola como na própria internet em algum blog. Desta forma, a produção dos alunos deixa de ter como destino o fundo da gaveta do professor e passa a ter função social. Observe, então, que, neste caso, a internet funciona não só como fonte de pesquisa, mas, também, como espaço de publicação.
A Wikipédia (http://pt.wikipedia.org) é um enciclopédia na internet criada exatamente com esse espírito. Nela qualquer internauta pode inserir verbetes novos ou corrigir e ampliar os que lá estão, qualquer um pode modificar e atualizar informações. Entretanto, muita gente pode se perguntar: uma enciclopédia em que qualquer um pode escrever não pode ser tão confiável como uma que tenha sido produzida por especialistas nas diversas áreas, não é mesmo? Não é bem assim: a Wikipédia é um projeto comunitário, um enciclopédia livre. Há dezenas, talvez centenas de milhares de pessoas produzindo textos e tomando conta para que não seja um mar de asneiras. Sempre que alguma modificação é feita, algumas pessoas são informadas e verificam se o que foi inserido é correto, se não é ofensivo etc. Ainda assim, encontram-se muitos equívocos, mas, surpreendentemente. Não muito mais do que nas melhores enciclopédias disponíveis nas livrarias. Além disso, exatamente pela possibilidade de haver erros, a leitura dos verbetes implica ter um senso crítico ainda mais apurado. A internet é, atualmente, um espaço em que, além de pesquisar, pode-se escrever, publicar, trocar, produzir em colaboração: isso e o que está sendo chamado de web2.0, a internet como espaço de produção e colaboração. Vai aqui uma sugestão, de professor para professor, a partir da dinâmica da enciclopédia livre: pesquisar na Wikipédia verbetes que possam ser ampliados ou corrigidos pelos alunos. Imagine de que forma mexerá com a auto-estima de sues alunos ao se perceberem autores de uma enciclopédia de alcance mundial! A auto-estima e a responsabilidade.
Mas não é só a internet que traz novas possibilidades para o fazer pedagógico possibilidades para o fazer pedagógico. A tecnologia digital traz consigo a possibilidade de produção em outros meios e linguagens. Hoje, é possível a produção de vídeos e animações utilizando os programas já instalados nos computadores. O que custava muito caro e exigia aprendizado par usar equipamentos sofisticados, hoje pode ser realizado com programas que os alunos aprendem sozinhos. Aí está mais uma contribuição importante que as tecnologias digitais trazem à escola. Computadores são objetos interativos com os quais se pode experimentar sem medo de errar. Eles contribuem para trazer de volta ao ambiente escolar a instigante curiosidade de jovens e crianças.
Então, o que a escola deve fazer com a tecnologia? Deixar que seja um espaço de produção, de exploração, de experimentação e de colaboração para seus alunos. Tomara que possamos ser capazes de aprender com nossos alunos a explorar livre e divertidamente as interfaces que nos trazem as tecnologias digitais para, junto com eles, crescermos como produtores de um novo conhecimento, o que possibilita fazer da escola um lugar de produção intelectual alegre e convidativo.
* Doutor em informática e Sociedade pela Coppe/Sistemas 0 UFRJ. Pesquisador do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estácio de Sá.
publicado na Revista TVEscola - março/abril 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

antispam

Moran on Twitter